vírus

CONVULSÕES FEBRIS

 

A convulsão febril é definida como uma crise convulsiva acompanhada por febre. A temperatura deve ser maior ou igual a 38ºC. Este tipo de convulsão ocorre em crianças de 6 meses a 60 meses de idade quando não há evidência de infecção ou inflamação do sistema nervoso central, alteração metabólica e sem história prévia de crise convulsiva.

As convulsões febris não devem ser confundidas com epilepsia. A epilepsia é um quadro que se caracteriza por crises epilépticas recorrentes, sem febre.

A convulsão febril é um dos problemas neurológicos mais frequentes na infância, sendo que aproximadamente 2% a 5% das crianças menores que cinco anos de idade apresentarão pelo menos um episódio de convulsão febril.

As razões porque ocorrem convulsões febris ainda não está bem esclarecida. A maioria dos artigos médicos relaciona tal fato à imaturidade do cérebro da criança.

Os descendentes de pais que apresentaram convulsão febril tem uma probabilidade maior de apresentar o quadro, sendo que se estima que filhos de pais que foram acometidos por convulsão febril tiveram um risco aproximadamente 4,5 vezes maior do que a população geral de também apresentarem crise febril, e esse risco pode ser ainda maior (aproximadamente 8 vezes) quando a mãe é acometida. Portanto existe um fator hereditário que influencia no aparecimento da convulsão febril.

A presença da febre é uma intercorrência determinante, porém o tipo de infecção associada não tem relação direta, quer seja vírus ou bactérias, ou outro tipo de agente.

Habitualmente, as convulsões febris são generalizadas, de curta duração, únicas e precoces em uma mesma doença febril. Essas características definem as convulsões febris simples ou típicas.

No que se refere ao risco de epilepsia em crianças que tiveram convulsão febril, sabe-se que o risco é bastante baixo. No entanto, pode aumentar na presença de alguns fatores como: anormalidades do desenvolvimento neurológico, história familiar de epilepsia e crises febris complexas.

Não existem evidências de que a realização de um eletroencefalograma possa ser utilizado para prever se uma criança irá desenvolver epilepsia após um episódio de convulsão febril simples.

A maior parte das crises termina antes dos pacientes chegarem ao pronto-atendimento e o médico na maioria das vezes avalia a criança já no período pós-convulsivo.

As febres nesta faixa etária, na grande maioria das vezes são causadas por doenças que podem ser prevenidas com um programa de vacinação adequado.

Converse com seu médico, converse com a LABENE.

 

A Labene Clínica e Vacina já tem disponível  as vacinas contra a gripe com o novos lotes 2016.

Vacina Trivalente Abbott – 2016 – indicadas acima dos 6 meses de idade.

Vacina Quadrivalente GSK – 2016 – indicadas acima dos 3 anos de idade.

Seu bebê já pode ser imunizado contra a gripe H1N1 com a vacina trivalente 2016 na Labene.

A partir de 15/04 deveremos receber a vacina quadrivalente para crianças acima de 6 meses.

Devido à alta incidência de gripe H1N1 que está ocorrendo este ano recomendamos que as crianças entre 6 meses e 3 anos não aguardem a quadrivalente, uma vez que a trivalente oferece proteção contra este virus da mesma forma que a quadrivalente.

Converse conosco. Converse com o seu médico.

Proteja-se. Proteja sua família.

A gripe é causada por um vírus chamado de vírus Influenza e provoca um quadro onde ocorre febre alta, dores pelo corpo e frequentemente deixa o indivíduo muito debilitado, necessitando muitas vezes ficar acamado.

A recuperação completa pode durar até uma semana e pode complicar com pneumonia e em alguns casos pode levar à morte.

A gripe é diferente do resfriado comum, que é causado por outros agentes, e o quadro, apesar de apresentar sintomas parecidos, é muito menos intenso e com duração mais curta.

A transmissão da gripe ocorre através de gotículas de secreção que são expelidas no ar pela tosse, espirro, ou mesmo uma simples conversa com alguém infectado. O vírus que está suspenso no ar penetra no organismo através das vias respiratórias.

Uma vez no organismo, estes vírus penetram nas células onde se multiplicam formando milhares de novos vírus.

Os antigripais não previnem nem curam a gripe. Eles podem, em alguns casos, diminuir a sintomatologia, porém dependendo da intensidade do quadro, podem não ter resposta adequada.

O meio mais eficaz de se prevenir contra a gripe é a vacinação, que tem uma eficácia de próximo de 90% e que deve ser feita na época correta. Esta vacina vem sendo utilizada no mundo todo, é muito segura e provoca poucos efeitos colaterais, portanto a vacinação é largamente indicada.

A Vacina contra gripe é uma vacina inativada e fracionada, o que significa que os vírus estão mortos e replicados, não podendo se reproduzir dentro do organismo das pessoas vacinadas; no entanto, produzem uma resposta imunológica protetora muito eficaz. Desta forma, a vacina contra a gripe nunca desencadeia a gripe. É impossível alguém ficar gripado por causa da vacina.

A vacina contra gripe protege da gripe, porém, não protege dos resfriados e de outras infecções que também ocorrem no inverno e tem sintomatologia semelhante. Devemos estar atentos ao fato de que cerca de 10% dos indivíduos vacinados podem ter gripe, porém, de uma forma mais branda.

Todas as pessoas com mais de 6 meses de idade podem ser vacinadas, principalmente as pessoas que apresentem alguma doença debilitante como os portadores de doenças cardíacas, doenças pulmonares, diabéticos, AIDS, doenças renais crônicas.

Incluem-se também no grupo preferencial as gestantes depois do 3º mês de gestação, e os profissionais de saúde.

A gripe é altamente contagiosa. Uma pessoa contaminada pode disseminar a doença para dezenas de outras pessoas.

Proteja-se. Em caso de dúvidas converse com o seu médico ou converse com um profissional da Labene.

A LABENE sempre está atenta para oferecer o que há de melhor.

 

Iniciar conversa
1
Olá, como podemos te ajudar?