Enterovirus: O que esses vírus podem causar?

Por Dra. Claudia Lobo Cesar

São vírus, com uma alta incidência principalmente nas crianças e nos meses de verão e outono, mas podem infectar adultos também, porém esses com sintomas mais leves.

Foram identificados em humanos 116 sorotipos de quatro espécies diferentes: Espécie: A, B, C, e D, esta é a causa de uma criança poder pegar várias vezes esse tipo de vírus.

Cada tipo deste vírus provoca um quadro clinico diferente, porém alguns sintomas são mais frequentes.

Eles podem causar sintomas mais comuns de baixa gravidade como: doença pé/mão/boca, diarreia, vomito, dor de garganta, herpangina (aftas na boca), tosse, congestão nasal, conjuntivite, exantema, sintomas hepáticos, doença febril aguda sem outros sintomas.

Mas também podem causar sintomas mais graves e com risco alto de mortalidade como: Pneumonia , conjuntivite hemorrágica, paralisia, Meningite asséptica ( não tem vacina para este tipo de meningite), encefalite, ataxia, síndrome de Guillain-Barré, Pericardite e miocardite, paralisia flácida aguda.

Devido a esses quadros mais graves, que podem começar como um quadro leve de um processo viral comum, a criança deve ser acompanhada por um pediatra.

Ouço muitas mães falarem que existem vários amiguinhos com os mesmos sintomas então é a mesma virose medicando em casa com os mesmos remédios prescrito para o amiguinho, porém a evolução pode ser bem diferente de uma criança para outra pois depende da competência imunológica daquela criança, quantidade de vírus, do tipo do Enterovirus, da situação nutricional, se é portadora de uma doença crônica de base etc.

O vírus da poliomielite faz parte do Enterovirus, mas já foi erradicado no brasil devido à vacina da pólio. Causa paralisia infantil.

Um dos tipos mais comuns que muitas vezes vem em surtos é o Coxsackie do grupo A que causa a doença pé/mão/boca e também Herpangina (Estomatite)

Alguns tipos de Enterovirus podem causar um tipo de exantema semelhante a rubéola e até em poucos casos ocasionar um exantema semelhando ao da escarlatina por Estreptococo(esta de causa bacteriana) e nestes últimos casos muitas crianças acabam tomando antibiótico sem necessidade.

A transmissão se dá por meio da ingestão de alimentos ou água contaminados pelo vírus,  ou contato com pessoas ou objetos também contaminados

Existem alguns exames de laboratório que podem ser feitos como o PCR/genotipagem da secreção respiratória ou fezes e a sorologia, porem o diagnóstico é essencialmente clínico.

O tratamento é apenas sintomático, para aliviar os sintomas, casos graves como encefalite precisa de internação.

Prevenção por vacina apenas para o Enterovirus que causa paralisia infantil através das vacinas: Sabin de vírus vivo( gotinha por via oral)e a Salk injetável de vírus vivo inativado.

É necessário aprender a se proteger contra as doenças virais com medidas de higiene principalmente nas creches e escolas como: Lavar as mãos com frequência, principalmente após usar o banheiro e antes e após as refeições. Manter a carteira de vacinação em dia. Conservar os alimentos na geladeira. Manter o ambiente limpo, principalmente cozinha e banheiro e os pisos onde as crianças engatinham. Evitar compartilhar objetos pessoais. Dar água com frequência para as crianças e manter higiene constante das narinas com solução salina. Evitar o desmame precoce, pois o leite materno continua sendo a melhor prevenção de doenças para crianças abaixo de 2 anos.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×
Ola, o que podemos ajudar?